quinta-feira, 25 de fevereiro de 2010

Drive in Art, um projecto orientado para a pintura

O domínio das artes visuais é uma das áreas do ensino que mais contribui para estimular o interesse pelas aprendizagens e que mais permite a descoberta dos processos criativos individuais. Embora pouco desenvolvidas no seio do nosso sistema educativo, são reconhecidas as múltiplas potencialidades que as suas diversas expressões detêm na valorização do processo de ensino e no enriquecimento da formação individual.
Neste ano lectivo de 2009/2010, a EB1 da Torreira (Fregim), com os alunos e professores das duas turmas do 2.º ano de escolaridade, participa de um projecto de formação artística e divulgação da pintura que, está a ser desenvolvido por quatro alunos (Ana Bebiana, João Maia, Paula e Maria João) do 12.º ano de Artes Visuais da Escola Secundária de Amarante, sob orientação dos professores Manuel Augusto e Júlio Cunha.
Tanto para os seus dinamizadores como para os nossos alunos, este projecto escolar constitui uma óptima estratégia de facilitação e motivação das aprendizagens, tendo por fundamento o conceito de “landart” e por tema inspirador a obra do pintor amarantino Amadeo de Souza Cardoso.
“Drive in Art” é a denominação do projecto em curso, que tem em perspectiva culminar numa amostra de pintura em grande formato, realizada por crianças e jovens de escolas de Amarante, numa interacção com a cidade.
Durante a tarde, hoje, as duas salas da EB1 da Torreira transformaram-se temporariamente em verdadeiros ateliers de pintura com os alunos a riscar e a pintar a óleo sobre tela.
Nesta sessão houve tempo e engenho para aprontar dois trabalhos que se vão juntar aos que forem feitos noutras escolas participantes no projecto. Sendo de prever que, mais adiante, com o tempo de feição tenhamos oportunidade de visitar nas ruas de Amarante uma exposição inédita da iniciativa daqueles quatro alunos da Escola Secundária de Amarante para a qual contribuíram os nossos alunos do 2.º ano de escolaridade.



domingo, 21 de fevereiro de 2010

Actividade com sabor a doce

Desde a pré-primária que a iniciação das aprendizagens no sistema de ensino tende a seguir no sentido do desenvolvimento das capacidades motoras e sensoriais individuais.
Uma das estratégias pedagógicas mais comuns na sala de aula é o recurso à prática de experiências simples em que os alunos são participantes activos.
No âmbito do desenvolvimento de um tema ligado à área do corpo humano, na sala 2 do JI da Torreira os alunos tomaram parte de uma actividade com vista ao reconhecimento de uma das competências sensoriais, o gosto ou paladar.
O exercício consistiu em envolver as crianças na preparação e confecção de uma receita de bolachas “waffles”.
No decurso da actividade foram experimentados os sabores dos vários ingredientes alimentares, assim como o seu resultado quando no final estava pronta uma bolacha com sabor a doce.

sexta-feira, 12 de fevereiro de 2010

Desfile em tempo de Carnaval

O Carnaval é comemorado nos três dias que antecedem a Quaresma. De acordo com a tradição cristã, a Quaresma é um período de quarenta dias até à Páscoa, iniciado na Quarta-Feira de Cinzas, e corresponde a um tempo de jejum e abstinência. Portanto, antes da quarentena de sacrifício, o Carnaval era por tradição a última oportunidade para se cometerem alguns excessos que acabavam sempre em festejos.
Tradicionalmente esta data é vivenciada, com muito entusiasmo, nas escolas do 1.º Ciclo.
Em contexto educativo, a época carnavalesca proporciona momentos em que as capacidades criativas dos alunos são muito incentivadas e exercitadas. As paredes das salas de aula, assim como os átrios, enchem-se de trabalhos coloridos: máscaras com utilização de diversos materiais, palhaços de muitos tamanhos, serpentinas, confetis, balões, e, principalmente, muita cor.
Este ano o “desfile de Carnaval” foi motivado por dois temas, um direccionado às “energias renováveis”, tema do Projecto Educativo, o outro dedicado à “horta biológica”, projecto que estamos a desenvolver na EB1 e JI da Torreira.
Todos os alunos compareceram fantasiados na escola exibindo fatos coloridos e muito criativos. Com fantasias a representar ventoinhas eólicas, paineis solares, o sol, jardineiros, espantalhos, legumes variados… todos os fatos no 1.º Ciclo foram da responsabilidade dos encarregados de educação, no pré-escolar essa tarefa coube às educadoras.
O desfile de Carnaval foi realizado num trajecto realizado na envolvente da escola, percorrendo alguns lugares, da freguesia de Fregim.
O tempo de sol que não chegou a aquecer, e um vento gelado, a manter a temperatura nos 5 graus, não impediram que esta actividade tivesse sido plenamente concretizada, através da qual os alunos puderam vivenciar situações de alegria e divertimento enquanto vão aprendendo a tomar contacto com as nossas próprias tradições.

terça-feira, 9 de fevereiro de 2010

Concluída a primeira fase da horta biológica

A primeira fase da execução do projecto «Horta biológica» está concluída.
Orientados os alunos para as pesquisas sobre as culturas da época, a demonstração das técnicas tradicionais de cultivo com uso de instrumentos manuais coube sobretudo aos avós.
Na terça-feira (02/02) passada, a culminar esta etapa pedagógica do projecto, a avó, a bisavó e a tia do Nuno, aluno do 1.º ano, turma B, vieram à EB1 da Torreira (Fregim) contribuindo com seus conhecimentos práticos para demonstrar como semear favas e ervilhas e plantar nabiça-couve.
Logo após o almoço, todos se dirigiram à horta, frente à escola, onde houve lugar a mais uma sessão experimental das nossas práticas agrícolas tradicionais.
Todas as turmas dos dois estabelecimentos do pólo escolar da Torreira (Fregim) já participaram neste projecto pedagógico e já foram cultivados todos os produtos da terra próprios desta época e característicos da região, previamente reconhecidos pelos alunos.
Uma parte do espaço cedido à realização do projecto ainda está livre e, a seu tempo, será utilizada para a sementeira de batatas, o que deverá acontecer pelo final do mês de Fevereiro. A parte restante será utilizada sob a responsabilidade das auxiliares educativas da EB1 e JI da Torreira que se propuseram a ensinar como plantar morangos.
Depois de concretizadas todas as lições do projecto, ficaremos a acompanhar o processo vegetativo dos produtos hortícolas, mondando e regando quando for preciso, para que a horta biológica resulte no campo tanto como tem sido de proveitosa na transmissão de conhecimentos de avós para netos.

segunda-feira, 8 de fevereiro de 2010

Projecto especial com uma turma açoriana

Este ano lectivo de 2009/2010, na EB1 da Torreira (Fregim), teve início a execução de um projecto pedagógico especial.
O projecto tem por designação “Conhecer Outra Cidade”.
Iniciado em Novembro, sob orientação da professora do Ensino Especial Ana Martins, esta acção resulta do facto de a docente ter trabalhado nos dois últimos anos lectivos no concelho açoriano da Praia da Vitória, ilha Terceira, e de potenciar junto dos nossos alunos o conhecimento adquirido sobre um contexto sociocultural diverso daquele em que nos encontramos em Fregim-Amarante.
As actividades em curso, no âmbito do projecto, são desenvolvidas com um grupo de alunos com N.E.E. da EB1 da Torreira e com alguns alunos das respectivas turmas onde estão inseridos, desenvolvendo-se em parceria com uma turma da EB1 de Santa Rita, constituída, apenas, por alunos com necessidades educativas especiais.
O projecto consta da troca de trabalhos realizados pelos alunos de ambos os estabelecimentos de ensino com recurso à máquina fotográfica, e visam a divulgação inter-escolas das localidades a que pertencem os dois grupos de alunos.
O primeiro trabalho elaborado pelos alunos da EB1 da Torreira (Fregim), e já enviado por email para a escola dos Açores, foi um powerpoint em que consta a apresentação de alguns dos monumentos do concelho de Amarante, assim como dos Açores também já receberam um interessante documentário que aqui divulgamos.
Conhecer outras realidades, nomeadamente insulares, despertou nos nossos alunos grande interesse pela oficina de fotografia e empenhamento na realização dos trabalhos a fim de corresponderem a este desafio com a turma açoriana. Ao tomarem conhecimento da informação recebida dos alunos açorianos, os nossos alunos mostraram-se muito interessados pelos seus monumentos.

video

domingo, 7 de fevereiro de 2010

Profissões dramatizadas na sala de aula

Na sala de aula, a expressão dramática proporciona aprendizagens e a consolidação de conteúdos transversais em contextos lúdicos que induzem a criança na criação do seu próprio texto e a tornar-se mais comunicativa, desenvolvendo simultaneamente a criatividade individual e a sua socialização.
A expressão dramática é um recurso e uma estratégia pedagógica da Área das Expressões Artísticas com que se tende a fortalecer a auto-confiança do aluno e a superar alguns bloqueios e inseguranças patentes e muito comuns no decurso das primeiras aprendizagens. Através do imaginário infantil, do maravilhoso e do fantástico, as crianças crescem e desenvolvem mecanismos que as fazem tornar-se mais aptas em todas as suas aprendizagens.
Quando, recentemente, na turma C do 2.º ano os alunos trabalharam o tema “Modos de vida da população/profissões”, a expressão dramática foi a estratégia pedagógica seguida.
Os alunos formaram grupos de profissionais, de acordo com as profissões que escolheram para recrear e, livremente, criaram o seu texto, as suas personagens e os seus adereços. Com a dramatização, seguidamente, recriaram por si o ambiente de trabalho relativo a várias profissões.
A motivação patente nos alunos no decurso da exploração do tema foi uma constante, demonstrando o entusiasmo com que a actividade foi encarada na sala de aula.
O recurso a estratégias diferenciadas, de motivação dos alunos para o ensino/aprendizagem, tem na expressão dramática um domínio privilegiado de concretização prática de alguns conteúdos programáticos.

quarta-feira, 3 de fevereiro de 2010

Assembleia de Escola com um novo formato

A escola proporciona aos alunos contextos de aprendizagem únicos, constituindo experiências onde são ensaiadas as primeiras letras, se fazem as primeiras leituras, se transmitem os principais códigos para a vida, e se preparam os alicerces para que cada um possa ser o melhor dos cidadãos. Nesta perspectiva, a Educação é, também, a essência da cidadania.
Na EB1 e JI da Torreira (Fregim) a Assembleia de Escola (AE) procura cumprir o espaço institucional de responsabilização da cada um perante todos, em que os alunos são levados a reflectir sobre a vida na escola, identificando problemas e tentando encontrar as soluções mais adequadas. Esta iniciativa é preparada no âmbito das duas turmas do 4.º ano de escolaridade, por serem os mais velhos, sob orientação das respectivas professoras.
A segunda Assembleia relativa ao ano lectivo de 2009/2010 realizou-se hoje da parte de tarde, e teve um novo formato.
Na mesa que presidiu à reunião estiveram dois alunos de cada turma, inclusive do pré-escolar, a representar os respectivos colegas, de forma a decorrer mais organizada, sem dispersão e sem barulhos.
A sessão começou com um pequeno sketch, organizado e apresentado pelos alunos da turma H do 4.º ano com que fizeram uma pequena rábula sobre os comportamentos a corrigir, verificados na cantina e no recreio. No final tiraram conclusões de como deverá ser o comportamento adequado. Com pouco tempo de ensaio, esta apresentação funcionou muito bem e agradou a todos que assistiram. Até os mais pequenos do pré-escolar, riram a valer e entenderam bem a mensagem.
Depois, decorreu a reunião, propriamente dita, com uma metodologia diferente. As regras previamente estipuladas pelos alunos e organizadas em grelha foram projectadas num ecran, e os alunos que presidiram à reunião fizeram um balanço sobre o seu cumprimento.
No final, todos os alunos entoaram uma canção com letra criada para o efeito e que continha as regras que devem ser observadas para se ter um bom comportamento.
O novo formato da Assembleia de Escola ficou aprovado no decurso de uma actividade pedagógica que é levada a cabo para proporcionar aprendizagens mais adequadas à educação para os deveres e os direitos dos novos cidadãos.